Smart Hotel vai representar o IPCA no 15º Polieempreende

Decorreu no IPCA o 15º Poliempreende (Concurso Regional) para apurar o projeto que vai representar o IPCA na Concurso Nacional, que decorrerá no Instituto Superior Politécnico de Portalegre, em setembro.

O Poliempreende tem como objetivo máximo incutir e estimular o empreendedorismo através da criação do próprio emprego.

Foi a pensar em ter o seu próprio negócio que a equipa de João Paulo Fonseca, estudante da Licenciatura em Design Gráfico, submeteu o projeto Smart Hotel ao Poliempreende. Antes de apresentar o projeto, a equipa, que conta também com a participação do estudante Rui Silva, CTeSP em Redes e Segurança Informática, estava nervosa na sala de espera pois tinham noção de que a “concorrência é grande, sabemos que estão aqui projetos de teses de mestrado em fase já bastante desenvolvida. Nós partimos um pouco atrás, mas é uma forma de entrarmos neste tipo de concursos e percebermos como funciona”, mencionam João Paulo.

João Paulo vê esta vitória como a consolidação do projeto “Saímos da sala com confiança de que poderíamos ficar nos três primeiros lugares. Foi bom ter ganho. Reparamos que o júri gostou, deram-nos os parabéns pelo plano de negócios que estava bem construído e percebemos que tinham ficado surpresos em relação ao nosso projeto”.

O júri também se mostrou impressionado com a qualidade dos projetos apresentados. No total, 10 equipas se apresentaram a esta segunda fase do concurso. Adriana Lago de Carvalho, Diretora Executiva da Unidade Praxis 21, congratula esta edição por conseguirem “algo extraordinário, dado que, pela primeira vez, estiveram as 4 Escolas representadas e houve uma boa adesão por parte dos estudantes. Ficamos muito contentes por isso e pela coragem, dedicação e empenho de todos os participantes”.

Já Adriano Fidalgo, CEO Astrolábio Orientação e Estratégia, ficou surpreendido com a qualidade dos projetos relativamente ao tempo que tiveram, “ pois para além da ideia, aproximaram-se muito do modelo de negócio e têm as principais ideias bem definidas e até a sustentação financeira está bem conseguida. Esta foi das edições mais bem concebidas”. Nuno Vieira, representante do Banco Santander, ficou igualmente surpreendido “de maneira geral tivemos muito bons projetos, muito estruturados e bem pensados. Alguns deles mesmo, que não passarem para outra fase têm perfeitas condições para ter outro tipo de apoios e passar da ideia ao negócio”.

Agostinho Silva, vice-presidente do IPCA mencionou ainda a importância “da participação dos docentes neste projeto, pois apoiam os estudantes no desenvolvimento de projetos inovadores e no reforço da capacidade empreendedora”.

O segundo lugar foi arrecadado pelo projeto “Gravitim – Boletim de Saúde”, envolvendo a aluna do Mestrado em Design Digital Tânia Araújo, e o docente Nuno Martins, da Escola Superior de Design.

A plataforma digital DroPoint obteve o terceiro lugar. A equipa é formada por 5 estudantes do Mestrado em Gestão das Organizações, provenientes das mais diversas áreas: Carlos Soares (Engenharia Têxtil), Marco Fernandes (Sociologia), Daniel Salgueiral (Engenharia Informática), Eduardo Torres (Fiscalidade) e Gil Sarmento (Serviço Social).

As três primeiras equipas receberão prémios no valor de 2.000€, 1.500€ e 1.000€, respetivamente. A equipa vencedora, projeto Smart Hotel, estará a representar o IPCA no Concurso Nacional, que decorrerá no Instituto Superior Politécnico de Portalegre, em setembro.

João Paulo Fonseca e Rui Silva – “Smart Hotel”
Tânia Araújo, e o docente Nuno Martins (ESD) – “Gravitim – Boletim de Saúde”
Carlos Soares, Marco Fernandes, Daniel Salgueiral, Eduardo Torres e Gil Sarmento – “DroPoint”